Seguidores

quarta-feira, 27 de maio de 2015

GRAVE DIGGER - ROCK AND ROLL SINUCA BAR 09/05/2015 NOVO HAMBURGO/RS HEAVY METAL BREAKDOWN!!!!


                        Heavy Metal! Simples, direto e sem invencionices! Assim podemos descrever o show apresentado pela lenda alemã Grave Digger, no dia 09/05 no Rock and Roll Sinuca Bar em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos. Uma celebração ao verdadeiro heavy metal! Em mais uma iniciativa da Ablaze Produções, o local escolhido foi de fácil acesso e com um horário que facilitou bastante o deslocamento de quem mora pela região, pois coincidiu com o horário do transporte (ônibus e trem)! Ponto positivo para a produção do evento. Mas o público, apesar de ter comparecido, poderia ter sido melhor...

                        Mesmo sendo a terceira passagem do grupo pelos pampas, a ansiedade de muitos dos presentes era visível. Marcado para para as 21 hs, o show foi precedido por um pronunciamento da produção (á cargo do Leonardo Schneider), solicitando que ninguém subisse ao palco pois em São Paulo, algum ser desprovido de cérebro, acabou fazendo isso e quase enforcou o vocalista Chris Boltendahl! Fato que se voltasse a ocorrer, encerraria a apresentação da banda. Pedido feito, pedido aceito! 

                        Eis que ao som da intro Return of the Reaper, Marcus Kniep (teclados, que substituiu o folclórico H.P. Katzenburg - e que acabou sendo alvo de uma brincadeira feita pelo vocalista com alguém da platéia mais tarde), Stefan Arnold (bateria), Jens Becker (baixo), Axel Ritt (guitarra) e o carismático Boltendahl iniciam a apresentação com a excelente faixa Hell Funeral, que abre o mais recente trabalho do grupo, Return of the Reaper (2014). Com um som muito bom, o grupo mostrou porque está há tantos anos na ativa, e que, mesmo com a troca de integrantes, sua qualidade permanece intacta! Na seqüência The Round Table, presente em Excalibur (1999) e Witch Hunter (faixa título do álbum homônimo), com seus 30 anos, voltaram no tempo e nos entregaram grandes clássicos do gênero. The Dark of the Sun, um dos grandes momentos de Tunes of War (1996), mostrou uma grande receptividade da platéia. Algo que se manteve durante todo o show, diga-se de passagem...


                       Ballad of Hangman, faixa que dá nome ao trabalho lançado em 2009, precedeu uma das novas faixas do mais recente álbum. Season of the Witch, faixa pesada e cadenciada, que traz todas as características que sempre nortearam a carreira da banda. E aqui cabe ressaltar a qualidade do guitarrista Axel "IronFinger" Ritt. A banda sempre teve grandes guitarristas em seu line up, e dessa vez não é diferente. Lionheart, de Knights of the Cross (1998), trouxe o apoio do público novamente no refrão, que cantou a plenos pulmões! Em seguida, The Last Supper, do álbum de 2005, talvez tenha sido a faixa que não obteve o mesmo entusiasmo por parte da galera.War God, um dos destaques do novo trabalho veio a comprovar a qualidade dos músicos, com destaque para o baterista Stefan Arnold e para o baixista Jens Becker. Pesada e rápida, a faixa, apesar de recente, fez a galera interagir novamente de aneira contagiante. Hammer of the Scotts, faixa de The Clans Will Rise Again (2010), precedeu a mais uma faixa do novo álbum. Tattooed Rider, que foi um dos destaques do show. Uma faixa bem "Grave Digger", se me faço entender... 

                       The Curse of Jaques, de Knights of the Cross, antecedeu á três dos maiores clássicos do grupo: Excalibur, Knights of the Cross e Rebellion (The Clans Are Marching). Um momento único dentro do universo Heavy Metal. Três grandes clássicos, com destaque para a épica e sensacional Rebellion. E como é bom ver uma grande banda, com mais de 30 anos de carreira, tocando com aquela "gana" que ultimamente, vemos apenas em bandas iniciantes. E cabe aqui também elogiar a performance do grupo em relação ao local. Apesar de pequeno, e das restrições em relação ao tamanho do palco ( o batera Stefan Arnold, quando se levantava do seu kit, ficava meio de lado devido a sua altura - fato esse levado na esportiva por ele), a banda tocou como se estivesse tocando nos grandes festivais da Europa, onde é figura carimbada. Sinal de respeito pelo público.Chegava ao fim a primeira parte do show. 


                       Após os pedidos de retorno, o grupo volta ao palco para detonar mais três petardos.
Highland Farewell, também presente em The Clans Will Rising Again, a fantástica Morgane Le Fay , presente em Excalibur, cantada em uníssono e o hino Heavy Metal Breakdown, faixa título do álbum de estréia da banda em 1984. Indescritível a sensação de presenciar esse momento. Qual fã de heavy metal, nunca cantou junto esse refrão enquanto empunhava sua air guitar? Um show pra ficar na memória de quem tem nesse estilo sua inspiração!

                         

                      O único ponto que ficou um pouco a desejar, foi o acesso aos fotógrafos. Talvez pelo pedido da banda, eles não tiveram acesso a frente do palco. Mas é um ponto pequeno, perto da grandiosidade do evento. Fica aqui um agradecimento a Ablaze Produções pelo credenciamento e atenção dispensada. E que venham os próximos shows! Fotos: Diogo Nunes.

       

                        

                        

Nenhum comentário:

Postar um comentário