Seguidores

terça-feira, 29 de setembro de 2015

SIRENIA - THE SEVENTH LIFE PATH



                       Falar de um músico como Morten Veland é falar de algum que possui talento. Afinal estamos falando de alguém com qualidade técnica acima da média e que tem muito bom gosto em suas composições, seja na composição propriamente dita, quanto nos elaborados arranjos. Era assim na época do Tristania e continuou (e continua) com o SIRENIA. Tanto que o sétimo album de estúdio da banda, o excelente THE SEVENTH LIFE PATH que chega ao Brasil via Shinigami Records, em uma belíssima versão digipack e com uma bonita arte gráfica, mantém essas características. O Symphonic Metal praticado pelo grupo traz elementos mais sombrios que remetem aos primeiros trabalhos do grupo. aliados aos vocais femininos, corais, e a música erudita (um dos grandes diferenciais), o cd pode ser considerado uma continuação do caminho trilhado pelo álbum anterior, Perils of the Deep Blue (2013) e pode, desde já, ser apontado como um dos melhores trabalhos da banda.

                     Como de praxe, Morten gravou os vocais e todos os instrumentos, contando com a bela Ailyn nos vocais (desde 2008). Ao vivo Jonathan A. Perez (bateria) e Jan Erik Soltvedt (guitarra) se juntam á dupla. Com uma musicalidade mais densa e sombria, o trabalho foi gravado e produzido pelo próprio Morten e ficou de excelente nível. Arranjos belíssimos e composições primorosas, envoltos em uma atmosfera densa e pesada é o que temos neste novo cd.


                   Seti, uma introdução composta por partes sinfônicas e corais e que preparam o ouvinte para a densa e pesada Serpent. Os vocais de Ailyn se aliam aos belos arranjos e guitarras pesadas da faixa, criando um clima intenso. A alternância dos vocais e o andamento mais cadenciado nos remetem á uma atmosfera obscura.  A pesada Once My Light, ganhou um belo videoclipe. Com toques progressivos e elementos sinfônicos, com belos corais e destaque para Ailyn, que desde que entrou na banda, parece ter revigorado o talento de Morten nas composições. Elixir, é um dos grandes destaques, pois a alternância dos vocais de Ailyn e Joakin Naess (convidado especial nesta faixa), contrastam com as harmonizações e arranjos de guitarra, de forma que prendem o ouvinte pela riqueza de detalhes. Essa faixa, traz a mente os primeiros trabalhos da banda. Um refrão marcante e um belo solo engrandecem ainda mais a composição. Sons of the North, embalado por teclados muito bem encaixados, é a faixa mais longa do trabalho. Com passagens sinfônicas e uma pegada mais metal, os vocais guturais, a versatilidade e criatividade da banda ganham destaque. A sexta faixa, Earendel, possui mais melodia e um andamento com arranjos de teclados que se alinham aos vocais femininos dando um toque de classe.

               
                  Concealed Disdain destaca o peso do baixo e bateria, com uma pegada mais heavy, que logo trazem os vocais de Ailyn se sobressaindo. Bem trabalhada, a faixa também ganha destaque. Insania, com acento no peso das guitarras também se destaca. Belas vocalizações e bastante peso permeiam a faixa. Na seqüência, o peso das guitarras seguem e comandam Contemptuous Quietus. Os vocais de Ailyn ganham ares líricos e concedem á faixa um clima épico e denso. Riffs fortes e mais um grande trabalho de baixo e bateria. The Silver Eye é mas uma grande composição. Climas sombrios, aarranjos orquestrais e uma boa dose de peso. A melancólica Tragedienne, que na edição nacional, ganhou uma versão em espanhol como bônus track, encerra o trabalho de forma grandiosa, pois mstra toda versatilidade e capacidade do grupo.

                 The Seventh Life Path agradará em cheio aos fãs e também aos apreciadores do Heavy Metal feito com classe e bom gosto. A criatividade e genialidade de Morten Veland continuam intactas. Se isso foi colocado em dúvida em trabalhos anteriores, aqui o músico mostra que sua qualidade persiste. Aliado a bela performance de Ailyn, o trabalho figura entre os melhores trabalhos da banda, e porque não dizer, do metal gótico e sinfônico.




Sergiomar Menezes
             

Nenhum comentário:

Postar um comentário