Seguidores

sábado, 29 de abril de 2017

MALKUTH - EXTREME BIZARRE SEDUCTION (2016) (RELANÇAMENTO)



                       O Black Metal, sem dúvidas, é um estilo muito forte no Brasil. E podemos afirmar com toda a certeza que o MALKUTH é uma das grandes forças nesse sentido. O grupo pernambucano, fundado em 1993, se tornou, ao longo desses quase 25 anos de estrada, uma das lendas do metal extremo nacional. Tendo neste período lançado seis álbuns oficiais, uma parceria entre os selos Obskure Chaos Distro (SP) e Ihells Productions (BA) se formou para que fosse recolocado no mercado EXTREME BIZARRE SEDUCTION, lançado originalmente em 2001, dessa vez, contendo três bônus track, no caso, faixas ao vivo gravadas em 2002.

              Na época do lançamento, o grupo era formado por Sir Ashtaroth (vocal/guitarra), Holocausto (baixo), Daniela Nightfall (vocais femininos/teclado), Cyber Necro Daemon (teclado) e Nightfall (bateria). O trabalho foi produzido pela própria banda em parceria com Proclo e foi remasterizado por Hugo Veikon. E ao ouvir atentamente o álbum, fica nítido e claro o porquê do grupo ser considerado um dos principais nomes brasileiros. Muita fúria e peso nas guitarras, que em seus riffs acabam trazendo ás faixas, todo o ódio presente nas letras do grupo. Profano, blasfemo, sombrio... Black Metal como o Black Metal tem que ser. Além disso, o uso dos teclados de forma correta e os vocais femininos (não na proporção mais comumente utilizada), acabaram também fazendo a diferença em favor da banda.

                      Com a agressividade e brutalidade aliados à passagens bem colocadas dos teclados, The Cry of Adelain (Embrace The Lesbian Goddes) abre o álbum de forma certeira. Os vocais de Sir Ashtaroth são gélidos e ao mesmo tempo, extremamente viscerais, criando uma atmosfera ainda mais densa e soturna. Deep Melancholy State: A Poetic Suicide in the Name of Loucyfer, novamente, possui momentos em que os teclados ganham destaque, sem que com isso, o grupo perca sua forma ácida e raivosa de execução. Em My Crucial Story About Jesus-Sinner, temos uma maior voracidade e violência, seja na velocidade a qual Nightfall conduz sua bateria, seja pelos riffs ríspidos e mortais de Sir Ashtaroth. Devil Bride, Our Erotic Dark Desires tem como ápice os vocais femininos, onde Daniela Nightfall impõe sua voz limpa criando um clima bastante "carregado" ao constratar com a voz rasgada e gutural do vocalista. Já a faixa título é uma composição mais "direta", tipicamente back metal, mesmo que em determinados momentos, passagens mais atmosféricas se façam presentes (cortesia dos teclados).

                     Gilles de Rais, Lord of Rais tem riffs agressivos, e particularmente falando, considero essa uma das melhores faixas do álbum. A guitarra aqui se sobressai em relação aos teclados, mostrando que, mesmo se tratando de um estilo mais "reto", que não aceita muitas variações, o black metal do grupo não se restringe à nenhum tipo de limitação. Já Lapidis Funebris é uma faixa bem trabalhada, com momentos mais porrada, por vezes direta e sem concessões, enquanto que em outros momentos, se mostra mais introspectiva. ...And The Ancient Witches Consume Psychotropic Tears, começa de forma bem sutil, com os vocais de Daniela mais simples e diretos, mas logo após ganha peso e intensidade. A última faixa da versão original é a porrada The Demon's Marks in my Skin. Uma música que tem um certo acento thrash em seu andamento.  Como dito anteriormente, neste relançamento temos a adição de três faixas ao vivo, sendo duas que constam no álbum ( Deep Melancholy... e Devil Bride...) além de Feast of the Grand Whore, cover do Rotting Christ.

                      Após 16 anos, EXTREME BIZARRE SEDUCTION se mostra um álbum ainda forte e bem consistente. Uma prova irrefutável da importância e relevância do MALKUTH para o black metal nacional. Se você é fã do estilo, mas ainda não conhece (ia) o grupo ou este álbum, esta é sua chance de se redimir!

 . 

                         
                  Sergiomar Menezes

Nenhum comentário:

Postar um comentário