Seguidores

domingo, 10 de dezembro de 2017

APPLE SIN - APPLE SIN (2017)



                 E o Heavy Metal brasieliro não pára de surpreender e apresentar bandas de alto nível. Dessa vez, chega aqui no Rebel Rock, o primeiro full lenght do grupo mineiro APPLE SIN, que surgiu em 2012 e lançou em 2015 o EP Fire Star. Dessa vez, a banda nos brinda com APPLE SIN, trabalho auto intitulado, que traz 10 faixas (contando com uma introdução) onde o heavy metal impera de forma sublime. E quando se fala em heavy metal, que fique claro que estamos falando de nomes como Iron Maiden e de maneira mais forte, o trabalho solo do mestre Bruce Dickinson. Tentano imprimir sua personalidade, a banda deixa claro que tem tudo para atingir seus objetivos e adentrar o disputado cenário do metal nacional.

                 Patric Belchior (vocal), Beto Carlos (guitarra), Tainan Vilela (guitarra), Raul Ganso (baixo) e Eduardo Rodrigues (bateria) formam a banda. O grupo contou com a participação especial de Philipe Belchior nos teclados na gravação do álbum. E podemos dizr que o quinteto (ou sexteto, se preferirem assim) nos entregou um ótimo disco, onde o heavy metal é a força motriz. Produzido e mixado por Eduardo Rodrigues, o álbum apresenta uma sonoridade crua e pesada, que poderia ter ficado um pouco mais polida, mas que de forma alguma causa algum demérito ao trabalho. Aliás, isso só ressalta o peso e agressividade do metal praticado pelos mineiros.

                       Uma pequena Intro antecede Sea of Sorrow, uma faixa pesada e intensa que de cara nos remete à carreira solo de Bruce Dickinson. E a semelhança do vocal de Patric acaba por deixar essa impressão ainda mais forte. Não que isso atrapalhe, pelo contrário. É perceptível que o grupo procura impôr sua identidade de forma bem consistente. Em seguida, Darkness of World traz guitarras muito bem timbradas, naquela linha Murray/Smith, mas com uma roupagem bem mais atual. Pesada e com uma pegada bem pulsante, a faixa é um dos grandes destaques do álbum. Apple Sin, faixa que dá nome à banda e ao álbum, segue essa linha, com um ótimo trabalho da dupla Raul e Eduardo (baixo e bateria, respectivamente). Além deles, Beto e Tainan mostram grande entrosamento, trazendo um pouco da escola hard/heavy em suas linhas. Então, temos Another Day, onde o grupo mostra uma maior personalidade, com uma dose extra de peso. Temos até mesmo um pouco de thrash metal por aqui, o que deixa bem nítida a versatilidade dos músicos, além de provar que não se prendem à limites pré-estabelecidos. Sem dúvidas, a melhor faixa do álbum!

                    Em seguida, Respect vem para dar uma "esfriada" nos ânimos. mas não no mau sentido. Trata-se de uma bela balada, onde as guitarras vão da melodia ao peso sem problemas, enquanto Patric tem uma de suas melhores performances em todo o trabalho. Mesmo tendo grande similaridade coma  voz de Bruce Dickinson, percebe-se o cuidado que o vocalista tem de não ser apenas "mais um" que procura imitar a voz do Maiden. E isso é ponto mais que positivo para ele. E a veia NWOBHM (leia-se maideniana) volta com tudo em Fire Star. Totalmente heavy metal, a faixa apresenta aquelas guitarras gêmeas, tão comuns ao estilo. Black Hole é uma faixa pesada, mas sombria, um pouco diferente das demais faixas do álbum. Esta é outra composição que mostra mais da personalidade do grupo, pois incorpora uma sonoridade mais atual, lembrando os trabalhos do Judas Priest com Ripper Owens. Roaches Blood é uma composição repleta de bons riffs e com um bom trabalho de bateria. O encerramento vem com Roadie Metal, uma bela faixa que serve como homenagem á Roadie Metal, assessoria do grupo e de tantos outros, e uma das mais séria e batalhadoras de todo o país. Homenagem justa e merecida. E a faixa ficou muito boa, pois traz aquele heavy bem tradicional que agrada a maioria dos fãs do estilo.

                    O APPLE SIN apresenta em seu primeiro full lenght, um ótimo trabalho indicado para os fãs de um heavy metal pesado, moderno (não modernoso, se é que me fiz entender) e que não se prende á nenhum tipo de limite. Uma ou otra aparadinha em alguns detalhes (que o grupo já vem trabalhando) fará com que sua contagiante música fique ainda melhor. A página da banda dá conta de que o grupo está trabalhando em um novo trabalho. Estamos aguardando ansiosamente!




                 Sergiomar Menezes

Nenhum comentário:

Postar um comentário