Seguidores

sábado, 9 de dezembro de 2017

TORTURE SQUAD - FAR BEYOND EXISTENCE (2017)



                    E eis que o TORTURE SQUAD vota à carga com FAR BEYOND EXISTENCE. E o grupo deu sequência à sonoridade apresentada em Return of Evil (EP lançado em 2016 e que trazia a estréia dos novos integrantes). De forma sucinta, o grupo manteve a mesma pegada, fugindo daquele jeito "thrash" de ser, presente em Esquadrão de Tortura (2013). Isso mostra que a banda realmente queria mudar seu som, pois temos muito mais daquela característica death/thrash que caracterizou seu início de carreira. O trabalho chega ao mercado através da Secret Service Records, em uma bela embalagem. Sem muita enrolação, vamos ao que interessa: se a intenção era resgatar a sonoridade que permeou os primórdios do grupo, isso foi atingido em parte. 


              Segundo trabalho contando com Mayara "Undead" Puertas (vocal), Renê Simionato (guitarra), Castor (baixo e backing vocal) e Amilcar Christófaro (bateria), FAR BEYOND EXISTENCE  traz 12 faixas (sendo que três delas constam como bônus tracks). O álbum traz também algumas participações especiais, como de Dave Ingram (Benediction/Bolt Thrower) nos vocais da faixa Hate, de Edu Lane (Nervochaos), na narrativa da faixa Cursed by Disease, de Luiz Carlos Louzada (Vulcano/Chemical Desaster) nos vocais da faixa You Must Proclaim, de Alex Camargo (Krisiun) nos vocais da faixa Just Got Paid  de Marcello Schevano (Golpe de Estado/Carro Bomba/Casa das Máquinas) no Hammond da faixa Torture in Progress. Ou seja, uma constelação de nomes do metal brasileiro e internacional. A produção, que ficou muito boa, e a mixagem estiveram sob a responsabilidade da própria banda ao lado de Wagner Meirinho e Tiago Assolini. Já a masterização fiou por conta apenas de Wagner Meirinho. A capa é obra de Rafael tavares e repassa um clima de angústia e também de uma atmosfera sombria. Ah, e vale ressaltar que o grupo resolveu trazer dois encartes, sendo um deles com as letras em português. ponto extra para a banda! Dito isto vamos ao álbum.

                    Don't Cross My Path abre o álbum em grande estilo, pois de cara percebemos que o grupo pretende seguir esse "novo" caminho, mais voltado para o death/thrash. Se a ênfase é maior no primeiro, as guitarras de Rene mostram uma pegada mais próxima do thrash, o que cria uma atmosfera bastante intensa durante a execução da faixa. Mayara, que já havia mostrado isso no EP, canta de forma bem interessante pois seu gutural é bem variado, sendo que em muitos momentos, ela atinge notas mais agressivas. No Fate traz um excelente trabalho de Amílcar, que se mostra um músico em constante evolução. Já a guitarra incorpora bem o espírito death metal, enquanto Mayara despejo seus vocais por aqui mais insanos. Bloody Sacrifice possui uma introdução com corais, até certo ponto orientais, mas descamba para uma porradaria de alto nível. Os vocais de Mayara vão do gutural ao mais rasgado, o que em alguns momentos remetem ao já citado Esquadrão de Tortura (2013). Steady Hands é mais cadenciada e possui um peso extra na guitarra. A faixa ganha intensidade durante sua execução e apresenta um solo bastante técnico. Hate traz a participação de Dave Ingram (Benediction) e é um dos grandes destaques do álbum. Rápida e agressiva, temos uma sonoridade brutal e pesada, resgatando o "velho" Torture Squad. Hero for the Ages é uma composição bem variada, com mudanças de andamento e que mostra o excelente entrosamento da dupla Castor/Amílcar (algo que não precisa ser dito, tamanha a experiência e história que ambos possuem).

                         E tome riffs thrash metal em Far Beyond Existence. A faixa título traz uma levada mais cadenciada em alguns momentos, deixando tudo mais pesado. O vocal de Mayara aqui soa um pouco confuso, pois se fizesse uso daquele mais rasgado, acredito que resultaria em uma melhor performance. Já Cursed By Disease tem guitarras bem death metal, apesar do andamento mais cadenciado em alguns momentos. Essa música traz a participação de Edu Lane (Nervochaos) na narrativa da faixa. You Must Proclaim é outro destaque e traz a participação de Luiz Carlos Louzada (Vulcano/Chemical Desaster) nos vocais. Mais uma vez, Amílcar comanda a faixa, com batidas certeiras e precisas, agregando ainda muito peso á base rítmica ao lado de Castor. Just Got Paid (a primeira das três bônus) é um cover do ZZ Top e conta com os vocais de Alex Camargo do Krisiun). E por mais incrível que pareça, a faixa ficou muito legal, pois mesmo tendo o TS inserido sua pegada, ela não perdeu suas características originais. E a voz de Alex se encaixou muito bem na proposta da faixa. A instrumental Torture in Progress começa com o baixo de Castor comandando, e traz a participação de Marcello Schevano (Carro Bomba/ Casa das Máquinas/Golpe de Estado) no Hammond. è uma faixa completamente diferente das outras, mostrando a versatilidade dos músicos. O álbum se encerra com Unknow Abyss, uma "outro" com um clima bastante sombrio.

                          FAR BEYOND EXISTENCE mostra que o TORTURE SQUAD quer seguir uma nova direção sem esquecer de seu passado. Buscando novamente aquela sua sonoridade típica, ou seja, o death/thrash, o grupo apresenta neste trabalho o rumo que pretende seguir. Numa sequência natural do EP lançado ano passado, este CD vai agradar aos fãs da banda que não curtiram muito (assim como a própria, creio eu) o último full lenght. Que a Tortura não pare e tenhamos mais trabalhos de bom nível como esse pela frente!




                          Sergiomar Menezes


Nenhum comentário:

Postar um comentário