Seguidores

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

MELHORES DO ANO 2018 - NACIONAL

                           E 2018 chega ao fim... E de certa forma, apesar dos ótimos álbuns lançados pelas bandas brasileiras (algo que vem acontecendo com uma regularidade bem interessante, o que é salutar), vimos uma polarização nunca vista anteriormente. E não estou falando de Black Metal x White Metal... Infelizmente, podemos ver, através das redes sociais muitos músicos da cena brasileira tomando partido de forma veemente. Obviamente que todos têm todo o direito de se manifestar. Mas o que aconteceu foi algo um tanto quanto constrangedor, pois vimos músico brigando com fã, fãs discutindo entre si, numa eterna batalha pra sair sempre como o dono da razão. Algo que, definitivamente, a cena não precisa. Não estou pregando aqui que sejamos alheios ao que acontece em nosso país, muito pelo contrário. A apatia foi o que nos guiou até aqui. Mas esse debate político não pode transformar amigos, músicos, fãs, produtores, etc, em inimigos. Que todas essas desavenças acabem e que voltemos a nossa atenção ao que de melhor aconteceu na música pesada nacional neste atípico ano de 2018. E, musicalmente, não temos do que reclamar... Neste primeiro momento, publico a lista dos melhores álbuns nacionais de 2018 de uma forma diferente. Mesmo que não tenha publicado a resenha de todos os álbuns, todos aqui terão um pequeno comentário acerca de sua escolha. Chega de conversa e vamos ao que interessa. Com vocês, os melhores álbuns de 2018 na opinião do REBEL ROCK

Sergiomar Menezes

1º - KRISIUN - SCOURGE OF THE ENTHRONED



Não é novidade pra ninguém que o KRISIUN é hoje, o maior expoente, não apenas do death metal, mas do Heavy Metal brasileiro no exterior. E com todo o merecimento. Prova disso é que o trio gaúcho vem consolidando sua carreira  a cada novo trabalho. SCOURGE OF THE ENTHRONED é um álbum simplesmente sensacional! Na opinião deste que vos escreve, pode ser colocado ao lado dos também espetaculares Apocalyptic Revelation (1998), Conquerors of Armageddon (2000), Works of Carnage (2003) e Southern Storm (2008). Produzido por Andy Classen, o álbum mostra que em matéria de brutal death metal, ninguém se compara a capacidade criativa e agressiva de Alex Camargo (vocal e baixo), Moyses Kolesne (guitarra) e Max Kolesne (bateria).
Faixas de destaque: Sourge of the Enthroned, Demonic III, Slay the Prophet, A Thousand Graves, Electricide e Abysmal Misery (Foretold Destiny)


2° - HEAVIEST - THE WALL OF CHAOS-T 



Mudanças de formação muitas vezes geram instabilidade dentro de uma banda. Mas, para nossa sorte, o que aconteceu com o HEAVIEST foi exatamente o contrário! A entrada de Alax William (vocal), no lugar de Mário Pastore, deu um maior dinamismo à musicalidade do grupo. Agregando uma influência maior de nomes como Disturbed e Pantera, a banda mostrou que o potencial apresentado em Nowhere (2015) é hoje uma realidade. Com uma pegada bem atual, uma produção pesada e moderna, que ficou sob a responsabilidade do guitarrista Guto Montesso e que contou com a co-produção de Roy Z, e uma arte gráfica bem trabalhada e elaborada por Alax, THE WALL OF CHAOS-T transformou a banda em uma realidade no metal brasileiro!
Faixas de destaque: Like Those Ones, Thieves of Life, Blood, Fire it Up, Hunted e Kill the King


3º - ANGRA _ OMNI


Confesso que colocar este álbum entre os melhores do ano me trouxe uma sensação de alívio e satisfação. Primeiro porque, nos últimos anos, nenhum trabalho do ANGRA me chamou a atenção. E segundo, e talvez, o mais importante, é que se teve uma banda nacional que me fez ver que o Metal Melódico aqui não era apenas bem feito, mas que servia de influência pra muita gente, essa foi o Angra. OMNI trouxe de volta, ao menos para mim, toda aquela classe e técnica da banda, aliadas a melodias cativantes, como só o grupo sabe fazer. As participações especiais, inclusive de Sandy (que gerou polêmica), foi bem explorada pela banda (até com certo exagero), de certo modo, não fariam falta, tamanha a qualidade das faixas apresentadas aqui. Como dito anteriormente, fico muito feliz em colocar este trabalho entre os escolhidos de 2018! Destaque para Fabio Lione (como sempre) e Marcelo Barbosa, que é muito mais do que um substituto para Kiko Loureiro!
Faixas de destaque: Light of Transcendence, Travelers of Time, Black Widow's Web, Insania, War Horns e Magic Mirror


4º MAESTRICK - ESPRESSO DELLA VITA - SOLARE


É raro encontrar bandas que tratam sua música como ela deve ser tratada. Música, antes de mais nada, é arte. E o MAESTRICK soube fazer isso de forma sublime em ESPRESSO DELLA VITA - SOLARE. Podemos dizer, sem nenhuma sombra de dúvidas, que estamos diante da obra prima, definitiva, do grupo de São José do Rio Preto. Desde a concepção da rate gráfica até o que é mais importante, que é a música, o grupo teve um cuidado e a, digamos, ousadia, em construir uma obra conceitual cercada de muita qualidade. Podemos ouvir de tudo na fantástica música apresentada pelo grupo: Beatles, Yes, Pink Floyd, Queen, Rainbow, Jethro Tull... Não há limites para a criatividade artística do quarteto. Produzido pelo mestre Adair Daufembach, o álbum mostra a versatilidade do grupo e nos deixa numa expectativa muito grande para a segunda parte desse grandioso projeto!
Faixas de destaque: Origami, I A.M. Living, Rooster Race, Keep Trying, The Seed, Across the River, Penitência e Hijos de La Tierra


5º - MX - A CIRCUS CALLED BRAZIL



Não estamos diante apenas de uma das capas mais legais e verdadeiras do Heavy Metal brasileiro. Estamos diante de um dos discos de Thrash Metal mais foda lançados por aqui nos últimos tempos! Mas também... Estamos falando do MX, um dos grupos mais tradicionais do estilo nesse "circo chamado Brasil"... Riffs carregados de agressividades, baixo/bateria marcados na velocidade da luz e um vocal que destila toda a ira que o estilo pede fazem de A CIRCUS CALLED BRAZIL um álbum para ser ouvido no repeat inúmeras vezes. Poucas bandas incorporam o espírito "thrash" com tanta pegada e conhecimento de causa como o quarteto. Se o Thrash Metal é sua praia, mergulhe fundo num dos melhores discos do estilo já lançados por aqui!
Faixas de destaque: Fleeing Terror, Murders, Lucky, Toy Soldier, Keep Yourself Alive, Marching Over Lies e A Circus Called Brazil  


6º - SACRIFICED - ENRAGED



O segundo trabalho de uma banda sempre vem cercado de expectativas. Ainda mais quando a estréia é acima da média. E o quinteto mineiro SACRIFICED não decepcionou! ENRAGED é um álbum pra firmar o nome da banda no cenário nacional. Com uma sonoridade difícil de "rotular", o grupo mostra categoria e versatilidade ao agregar à sua sonoridade influências mais atuais, pois segundo o próprio grupo, sua música tem uma pegada bem Modern Metal. O vocal Kell Reis guaarda uma semelhança com o de Cristina Scabbia (Lacuna Coil), mas com uma linha mais Heavy Metal. Ao buscar sua afirmação no cenário, o grupo "cometeu" um dos grandes trabalhos de 2018. E que a banda siga nos proporcionando uma música intensa e cheia de energia como a apresentada aqui!
Faixas de destaque: Meet Your Fate, Shame, Oblivion, Spiral Down, Dear Killer, Thick Skin e Into The Hive


7º - ATTOMICA - THE TRICK



Thrash Metal. Não há nenhuma outra definição que melhor se encaixe no ATTOMICA. E não há o que ser questionado aqui. O grupo é um dos pilares do Thrash Metal nacional, tendo lançado ótimos trabalhos, sendo um deles, de fundamental importância para o estilo Disturbing the Noise (1991). Agora, o grupo resolveu soltar um petardo que, muito provavelmente, se igualará a este último no quesito clássico. THE TRICK possui todas as características do grupo, agregando uma sonoridade mais atual, sem esquecer de suas raízes. Um álbum perfeito, digno de reconhecimento não apenas pelos fãs do grupo, mas por todo apreciador de Heavy Metal. Quem ainda não conhece o grupo, corra atrás por que vale, e muito, a pena. Quem já conhece... Bom, sabe muito bem do que estou falando, não é?
Faixas de destaque: Give Me the Gun, Feeling Bad, Kill the Hero, The Last Samurai, The Trick, Endless Cycle e Mistery


8º - PLEASURE MAKER - DANCIN' WITH DANGER


O retorno da PLEASURE MAKER em 2017 rendeu, em 2018, não apenas um álbum de Hard Rock de respeito, mas sim, um dos melhores CDs do estilo lançados no Brasil nos últimos tempos. Fazendo aquela sonoridade tipicamente hard oitentista, mas sem soar datada em nenhum momento, a banda mostra em DANCIN' WITH DANGER que o estilo, mesmo que ainda restrito aos fãs ( o que gradativamente vem mudando), é muito bem representado no Brasil. Os riffs e solos de Alex Meister (guitarrista e mentor do grupo), são inspirados, resgatando aquilo que de melhor já fizeram grupos como Dokken, Def Leppard, Ratt, etc. Produzido por Alex, o álbum ficou com uma sonoridade atual, unindo a classe e malícia dos anos 80 à modernidade. Saty Hard!
Faixas de destaque: Dancin' With Danger, Chains of Love, Rock The Night Away, Lonely is the Night, A Matter of Feelings e Runnin' Out  of Time

9º - SABBATH BRAZIL SABBATH - THE BRAZILIAN TRIBUTE TO BLACK SABBATH


A iniciativa da Secret Service Records em lançar no mercado um tributo aos pais do Heavy Metal apenas com bandas brasileiras, pode ter sido arriscada. Afinal, nem sempre álbuns tributo tem boa aceitação, ainda mais se analisarmos que aqui temos apenas bandas underground (sem a presença de nomes como Sepultura, Angra, Krisiun...). Mas o resultado apresentado em SABBATH BRAZIL SABBATH - THE BRAZILIAN TRIBUTE TO BLACK SABBATH é simplesmente sensacional! Versões matadoras recriadas por bandas históricas e também mais novas no cenário só vêm a comprovar a qualidade e força do metal brasileiro. Fica difícil apontar destaques em um trabalho tão homogêneo. Sem dúvida, o melhor e mais completo tributo ao Black Sabbath!
Faixas de destaque: Children of the Grave (Leviaethan), Tomorrow's Dream ( Genocídio), Voodoo (Uganga), Sabbra Cadabra (Ancesttral), Supernaut (King Bird), Neon Knights (Korzus), Mob Rules (MX), Sabbath Bloody Sabbath (Drowned), TV Crimes (Voodoopriest) e N.I.B. (Attrachtha)


10° FACES OF DEATH - FROM HELL



Depois de 20 anos fora da cena, o grupo de Thrash/Death Metal FACES OF DEATH, retomou as atividades em 2017 com o lançamento do EP Consummatun Est, e agora em 2018 nos apresenta esse ótimo trabalho, o petardo intitulado FROM HELL. Com uma produção crua e suja, mas ao mesmo tempo bem equilibrada, encaixada perfeitamente dentro da sonoridade apresentada pela banda, o álbum traz em menos de meia hora, 09 faixas carregadas de agressividade e peso, lembrando em alguns momentos o saudoso Sepultura. Voltado mais para o lado thrash, o som do grupo mostra que a perseverança e dedicação, aliados ao respeito e honestidade, podem ser recompensados. Esse álbum faz parte dessa lista com o mais devido merecimento!
Faixas de destaque: Priest From Hell, I Am the Face of Death, New World Order,Fucking Human Gods, Human Race, Face The Enemy e King of Darkness

11º MALKUTH - VOODOO



São 25 anos de carreira. Uma das mais blasfemas e insanas bandas de black metal do planeta chega ao seu sétimo álbum, evidenciando ainda mais o seu lado sombrio. A brutalidade e agressividade, inerentes ao trabalho da banda, seguem firmes em sua batalha dentro do underground. Fazendo uso de forma bem equilibrada dos teclados e por vezes aproximando-se do metal tradicional, o veterano grupo pernambucano prova que não é necessário fazer nenhum tipo de concessão em sua sonoridade para se manter no mercado. Basta ser honesto e verdadeiro consigo mesmo. VOODOO é um dos melhores trabalhos já lançados pelo MALKUTH e um dos melhores do estilo neste ano de 2018!
Faixas de destaque: Shoot to Kill (je$u$), The Old Blade, Anticristum (Belicus), Dead (Cold as Graveyard) Dense Forests, Nocturnal Paths e Shadows


12º - NERVOSA - DOWNFALL OF MANKIND


O terceiro trabalho da NERVOSA traz uma proximidade bem maior com o lado extremo do metal, mais precisamente, com o Death Metal. Não que as garotas tenham abandonada o Thrash, veia mais latente em seus dois trabalhos anteriores, mas a entrada da baterista Luana Dametto, abriu o leque de possibilidades, explorando de forma mais brutal os limites da música do trio. Fernanda Lira está "cantando" de forma mais agressiva e ríspida, beirando o gutural em muitos momentos. Prika Amaral segue despejando ótimos riffs em sua guitarra, mantendo a boa sequência de lançamentos da banda. DOWNFALL OF MANKIND é um álbum que mostra que toda a batalha que o trio vem enfrentando ao longo dos anos está sendo recompensada. Um álbum mais extremo, mas ainda com a marca registrada da banda!
Faixas de destaque: Horrordome, Never Forget, Never Repeat, Enslave, Kill the Silence, No Mercy, Raise Your Fist, Fear, Violence and Massacre e Selfish Battle


13° - BARANGA - MOTOR VERMELHO


Rock n' Roll visceral! Guitarra, baixo e bateria! Como deve ser, não é mesmo? A banda mais AC/DC e Motörhead do Brasil chega ao seu sexto álbum, praticando o mesmo rock sujo, com algo de Heavy Metal. O BARANGA consegue fazer uma música até certo ponto simples(!?) e ao mesmo tempo cativante. MOTOR VERMELHO mantém a mesma pegada dos trabalhos anteriores da banda, mas a produção parece ter agregado uma pegada mais suja às guitarras, sendo estas o grande destaque do disco. Impossível ouvir esse trabalho e ficar indiferente à energia contagiante que emana de cada faixa presente aqui. Riffs grudentos, baixo/bateria pesados e a voz rasgada de Xande, transformam esse disco em dos dos grandes trabalhos de 2018!
Faixas de destaque: Boteco ao Lado, Motor Vermelho, Rock de Rua, Encrenca, Déjà Vú, O Carona, Biruta e Amor ou Loucura

14º - DROWNED - 7th


O sétimo álbum do grupo mineiro DROWNED traz consigo uma pequena mudança na sonoridade do grupo. Mas fique bem tranqüilo. Não há nada de anormal aqui. Se assim fosse, com certeza, 7th não estaria nessa lista. Essa mudança na realidade é que, a veia Thrash Metal do grupo aparece de forma mais latente, mas, que fique bem claro, aquele Death Metal que consagrou o grupo como um dos grandes nomes do metal mineiro e nacional, continua lá, firme e forte. Num primeiro momento, esse direcionamento pode soar um pouco "estranho", mas a cada nova audição, o álbum se torna mais e mais interessante. Mais um grande trabalho na carreira dos mineiros!
Faixas de destaque: The Bitter Art of Detestation, Rage Before Some Hope, Damage Wood Coffin, Epidemic and God Selfishness e Elitist Heaven Ruled by the Devil


15º - EXTERMINATE - PRAY FOR A LIE



A brutalidade encontrada em PRAY FOR A LIE, segundo full lenght do quarteto gaúcho EXTERMINATE é algo absurdo! A banda parece ter incorporado de vez todas as suas influências extremas e colocado isso de forma consistente em suas músicas adicionando sua personalidade. Resumindo, que baita disco de Death Metal! Falar o quê da maquina de triturar tímpanos chamada Sandro Moreira que destrói sem nenhuma piedade seu kit? Mas a banda é muito coesa, basta ver a performance dos guitarristas Adriano Martini, responsável também pelos vocais, e Rafael Lavandoski, que imprimem doses cavalares de peso em riffs e solos extremos. O baixista Marcelo Feijó não fica para trás, vez que cria bases sólidas e densas nas quatro cordas. O RS segue seu histórico de trazer ao mundo verdadeiras instituições do metal extremo!
Faixas de destaque: Image of a Dead God, Blind Faith, Pray For a Lie, Religious Zombie, War, Chaos e The First

Um comentário: